Santuário Nossa Senhora do Guadalupe

Rua Sophia Velter Salgado, s/nº - Vila Castelo Branco - Campinas, SP

+55 19 3227.5492

Artigos › 13/12/2018

A esperança é uma virtude?

Frequentemente, tratam a esperança como sinônimo de otimismo. É utilizada, assim, para designar um certo sentimento de que tudo irá se resolver ou dar certo. Uma noção de que as coisas não podem estar tão ruins como aparentam ou que, embora tudo indique uma dificuldade de resolução, no fim tudo vai dar certo.

A esperança é a segunda virtude teologal. Isso quer dizer que, como virtude, trata-se de um hábito que deve ser alimentado e fortalecido em nossa vida. Diferentemente de outros hábitos, este não pode ser criado pelo ser humano, pois compete a Deus dá-lo por meio da infusão da graça santificante. É teologal também não só porque é infundido por Deus, mas por se tratar de uma virtude que tem como fim último o próprio Deus. Esses hábitos predispõem o homem a agir segundo o desígnio do Criador, conseguindo concretizar suas inspirações.

Isso quer dizer que, quando se espera coisas humanas ou materiais, não se trata da virtude da esperança. Pode-se, realmente, esperar conseguir um emprego, esperar ir bem numa prova ou concurso, bem como, esperar ser bem recebido por certa pessoa num determinado lugar. Mas, que fique claro, nada disso trata da verdadeira esperança, a virtude teologal.

Virtude da esperança

A esperança é aquela virtude que faz nos esperar Deus e Suas promessas. A partir daí, fica claro por que, nos artigos anteriores, revelou-se que a primeira virtude teologal a ser cultivada precisa ser a fé, pois dela provém a esperança. De fato, é necessário conhecer Deus, suas características, seu imenso amor pelo ser humano, a maneira como, através da história, preparou a salvação da humanidade para poder esperá-lo. Uma fé que se desenvolve, que provoca o aperfeiçoamento da virtude da esperança.

A esperança, por sua vez, faz com que todas as coisas da vida e o mundo sejam colocados nos seus devidos lugares. Ela fornece a meta que explicita para onde todo homem e mulher devem direcionar a própria vida.

Esperar em Deus

Esperar em Deus é, assim, não só uma atitude passiva de quem vai receber algo, mas uma certeza de onde olhar, para onde colocar o foco de nossa atenção e atividade. O Salmo que diz “olho para os montes, de onde virá o meu socorro?” (Sl 121), responde apropriadamente: não é do mundo, não é dos homens, “o meu socorro virá do nome do Senhor, que fez o céu e a terra”.

Ricardo de São Vítor, em seu comentário ao Apocalipse de São João, explica que uma interpretação de o “nome do Senhor” é de que esta se refere à maneira como conhecemos Deus, pois se conhece alguém através do seu nome. Como é a virtude da fé que faz conhecer Deus, ele entende que se pode, corretamente, entender que o “nome de Deus” é a fé. Com essa referência, vê-se que as virtudes da fé e da esperança precisam caminhar juntas: aquele que conhece Deus sabe que deve esperar n’Ele. Para ter verdadeira esperança, somente com verdadeira fé.

Aproxime-se de Deus

A virtude da esperança é, desse modo, aquela que faz ver o mundo com outros olhos. Embora não se ignore a vida material, ela deve ser colocada sob a perspectiva da eternidade e do espiritual. Tal projeto leva para Deus? Preciso realmente disso ou daquilo? Esses bens ou atitudes me preparam para a vida eterna e para aumentar o contato com Deus em minha vida? Onde coloco minha esperança? Olho para os montes esperando que um exército virá me salvar ou espero no Senhor?

Aqueles que não perseguem os títulos, glórias e honras do mundo, mas caminham rumo à santidade de vida, sabem que serão consolados. Possuem uma verdadeira esperança, pois a fé ensina que Deus não decepciona quem constrói sua vida sob esses princípios.

A virtude da esperança também provoca (e alimenta-se para crescer) da disposição do homem de consolar-se diante da doença, da morte, da perseguição e da injustiça quando provocada pelo seguimento de Deus. Afinal, aquele que estabelece como meta a convivência com Deus e a vida eterna não pode considerar a morte como um castigo. O que possui a virtude da esperança, da mesma forma, vê a doença como uma oportunidade de renúncia, expiação e entrega que o aproximará da meta da eternidade.

Por Flávio Crepaldi, via Canção Nova

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

Newsletter