Comunidade Nossa Senhora Auxiliadora – Sua História

Com o plano habitacional da COHAB, em Campinas, milhares de famílias foram levadas para a periferia da cidade. E a Arquidiocese de Campinas, preocupada com essa realidade, iniciou o trabalho das Vilas Planejadas.

Essa pastoral foi organizada pelos padres Antônio Celso de Queiroz, Benedito Pessoto e José Luis de Castro, criando a Comissão das Vilas Planejadas.

Em 1974, o Padre Benedito Pessoto solicitou à provincial da Congregação das Filhas de Maria Auxiliadora, religiosas para residirem e desenvolverem um trabalho pastoral na Vila Castelo branco.

A princípio foram enviadas três religiosas e, em seguida, chegou mais uma, e todas passaram a fazer parte da comissão das Vilas Planejadas.

No mesmo ano, algumas residentes no Jardim Garcia foram convidadas a participarem da comunidade Sagrada Família, da Vila Castelo Branco.

Os moradores do Jardim Garcia se envolveram com a referida comunidade, passando a participarem das Pastorais dos Sacramentos e Operaria.

Com o passar do tempo, foi-se sentido a necessidade da criação de uma comunidade no Jardim Garcia, o que aconteceu no mês de março de 1975. O objetivo principal era a formação dos leigos e visitas às famílias.

No mesmo ano foi adquirida, pela Arquidiocese, uma casa no Jardim Garcia, com recursos provenientes da Campanha da Fraternidade da Paróquia São Paulo Apóstolo. Este imóvel posteriormente foi comprado da Arquidiocese pela Congregação das Filhas de Maria Auxiliadora.

As religiosas que residiam na Vila Castelo Branco passaram a morar no Jardim Garcia, e em 1976, a comunidade tornou-se independente da comunidade Sagrada Família. A coordenação pastoral ficou a cargo do Padre Luís Antônio Guedes e das religiosas Irmã Miriam, Irmã Maria Silva e Irmã Luiza.

Um momento marcante para a vida da Comunidade foi a realização da primeira assembleia, em 6 de março de 1976. A partir desse acontecimento, o aniversário da comunidade passou a ser comemorado no dia 6 de março, em que ficou definido o objetivo da ação pastoral a ser desenvolvido no Jardim Garcia.

No dia 4 de abril de 1976, Dom Gilberto Pereira Lopes visitou pela primeira vez a comunidade Nossa Senhora Auxiliadora (nome escolhido através de votação entre os participantes da comunidade).

Durante 41 anos desde a primeira assembleia, houve muitas mudanças no espaço físico, de celebrações e reuniões nas casas das famílias, no salão construído nos fundos da residência das religiosas; no salão cedido atrás, onde hoje é o Supermercado Vitória Max; Escola Estadual Carlos Lencastre, e finalmente no Salão Capela.

O Salão Capela foi construído após demolição da casa adquiria em 1984, com recursos providentes de muitos eventos e de doação recebida da Igreja Católica da Alemanha.

Em 1994, o prédio foi reformado, o mesmo acontecendo em 2013, já tendo o Padre Carlos José Nascimento como pároco. Essa reforma foi necessária para a adequação do espaço. Teve seu início em agosto e foi concluída em janeiro de 2014.

Em sua ação pastoral, a Comunidade sempre esteve em comunhão com as orientações da Igreja, com especial carinho pela catequese em todos os níveis, grupos de rua, estudo bíblico, e também atenta às lutas por melhores condições de vida, em resposta à opção referencial pelos pobres.

Destacam-se o envolvimento com a luta dos Sem Terra, principalmente o assentamento 1 de Sumaré; duplicação da Ab. John Boy Dunlop; Alfabetização de Adultos; criação do ensino médio na Escola Estadual Carlos Lencastre; criação do Projeto Gente Nova; regularização das ampliações das casas do Jardim Garcia; trabalho no favela da Armet; Caminhada dos Mártires e tantos outros.

Atualmente, de acordo com a realidade, a ação pastoral tem seu enfoque nas seguintes pastorais: Saúde, Música, Liturgia, Dízimo, Grupos de Vivência. Presta também atendimento a famílias necessitadas com cestas básicas mensais. Possui também grupo de artesanato.

Realiza eventos para arrecadação de recursos, visando a manutenção dos serviços pastorais da Paróquia.

Participaram da caminhada da comunidade muitas religiosas, como também sacerdotes e leigos.

Em 1993, a comunidade Nossa Senhora Auxiliadora e as outras quatro passaram a integrar a Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe, desmembrada da Paróquia Jesus Cristo Libertador, sendo o 1º Pároco o Padre Bruno Alencar Alexandroni. Ele deu autonomia para o trabalho pastoral da forma que estava organizado e contando as religiosas Salesianas.

As Irmãs Salesianas permaneceram com seu trabalho na Comunidade até o ano 2000, quando a superior, por dificuldades de envio de novas religiosas, decide encerrar a atuação das mesmas no Jardim Garcia.

No dia 3 de março de 2000, na Missa presidida pelo Padre Bruno, com a presença das religiosas que moravam no Jardim Garcia, das que fizeram parte da caminhada da Comunidade e da Madre Superiora, a Congregação encerrou seu trabalho na Comunidade e se despediu de Campinas.

Um momento especial para a vida da Comunidade é a Festa da Padroeira, que é comemorado no dia 24 de maio.