Mensagem do Reitor › 21/12/2017

Como iniciar uma vida?

Você sabe o que o início do ano, a segunda-feira e o amanhã têm em comum? São o começo de algo novo. São presentes que a vida lhe dá para iniciar algo novamente. São novos começos, novas chances, novas oportunidades para você criar algo melhor, novo e especial.

Quando a vida lhe pede para que comece tudo de novo e reconstrua sua vida a partir do zero, em vez de entrar em pânico e olhar para a coisa toda como uma punição, em vez de permitir que o medo paralise você, tente olhar para a experiência como um novo acaso. Como uma nova oportunidade para criar a sua vida em uma fundação mais forte e saudável. Uma nova oportunidade para ser feliz. Para começar tudo de novo e mostrar ao mundo que tudo é possível.

Podemos recomeçar em muitos campos da vida, gostaria de propor dois. Começar não é fácil, persistir na decisão é ainda mais difícil. Todas as decisões na vida necessitam de disciplina, caso contrário, estão condenadas ao fracasso. Na vida de oração não é diferente. Ela requer disciplina, perseverança e fidelidade. O primeiro passo é adquirir a consciência da importância da oração. O segundo, a decisão de orar e o terceiro, a escolha do tempo de oração. Comece com 20 minutos diários e, com o tempo, se sentir necessidade, aumente gradativamente esse período. No entanto, tal processo tem de ser realizado com muita calma e tranquilidade, respeitando seu ritmo interior e seu progresso espiritual.

A segunda proposta, espiritualidade saudável, pede uma vida com qualidade, exige de todos nós uma vivência espiritual saudável e equilibrada, na qual possamos cuidar de todos os outros aspectos que nos compõem, sem deixar de lado nenhum deles, incluindo nossa espiritualidade.

A espiritualidade somente é saudável quando é vivenciada com equilíbrio. Tudo o que foge ao equilíbrio torna-se espiritual e psicologicamente perigoso. Trabalho, esporte, lazer, diversão, descanso, participação na vida de comunidade são importantes para o nosso crescimento humano, social, mental e espiritual. Em todos esses ambientes, a espiritualidade deverá estar presente. A experiência de Deus que trazemos gravada em nossa alma não fica isolada das outras experiências da vida, mas as potencializa.

Quem separa a vida social da experiência espiritual que traz em si perde-se nos territórios de sua própria alma. O equilíbrio entre a vida e a fé não é motivo para nos afastar das diferentes realidades que nos interpelam. Uma vida espiritual madura, sadia e equilibrada abre-nos um caminho de paz, que é trilhado a partir das experiências de fé que são cultivadas em nosso próprio coração.

Quem descobriu na espiritualidade e na oração o jeito maduro de ser mais humano e divino, encontrou em si mesmo o segredo do amor de Deus, que em nós equilibra todos os aspectos da vida.

 

Pe. Carlos Nascimento
Reitor do Santuário Nossa Senhora
de Guadalupe – Campinas, SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *