Santuário Nossa Senhora do Guadalupe

Rua Sophia Velter Salgado, s/nº - Vila Castelo Branco - Campinas, SP

+55 19 3227.5492

Conheça Nossa Senhora da Queimada

Eis uma devoção que provavelmente procede do século XVII.  Frei Agostinho, franciscano, deixou-nos um relato que pode ser visto na obra Santuário mariano, no primeiro livro do tomo sexto, no título 95.

A história se desenrola no tempo dos mouros, que atacavam e destruíam tudo que se referia à Igreja Católica.

O fato ocorreu por volta do ano 1660.  Uma das incursões deles foi feita na ilha do Pessegueiro. Situada no litoral, na costa do Alentejo, ao longo da Freguesia de Porto Covo, no conselho de Sines, distrito de Setúbal, no país luso. Foi aí que os mouros saquearam e profanaram a capela.  Levaram a imagem de Nossa Senhora para um matagal e lhe atearam fogo. Algum tempo depois, os mouros de baixa condição social, pessoas que não mereciam atenção de ninguém, sem nobreza de sentimentos, sem caráter, canalhas e outros epítetos que os colocavam no mais profundo grau de desprezo, esses cafajestes foram expulsos e tiveram que se retirar.

Os moradores daquela região, depois de tudo, livres de seus inimigos, procuraram a imagem. Encontraram-na num matagal, entre as cinzas, intacta, sem vestígios de queimadura. Depois disso, e por isso, a imagem, que era de Nossa Senhora da Assunção, passou a ser chamada pelo povo de Nossa Senhora da Queimada.

Para evitar novas incursões foi construída uma fortaleza na ilha do Pessegueiro.

Encontra-se também, na “Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira”, no volume 21, a informação de que na ilha do Pessegueiro há ruínas de uma Igreja com a invocação de Nossa Senhora da Queimada. Era o culto popular dirigido à imagem que reproduzia a menção de ter sido encontrada intacta.

A devoção a Nossa Senhora por meio da imensa variedade de títulos, não importa qual, recorda sempre a santíssima mãe de Cristo, nosso Redentor, demonstrando mais uma vez sua profecia: “Todas as gerações chamar-me-ão bem-aventurada”.

Possa eu, também, ser contado entre os veneradores daquela que nos deu Jesus com todas as riquezas de vida nos sacramentos, forças contra os infernais inimigos, pois com São Paulo repetirei sempre: “Tudo posso naquele que me fortalece!”.

 

ORAÇÃO

“Ó Deus todo poderoso, pela intercessão de Maria, nossa mãe, socorrei os fiéis que se alegram com a sua proteção, livrando-os de todo mal neste mundo e dando-lhes a alegria do céu.  Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém!”

Texto extraído da Revista Ave Maria – edição de janeiro/2017 da seção “Maria na devoção popular” redigida pelo Pe. Roque Beraldi, cmf.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

Newsletter